Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


boa_vida

A 'maldição' dos Kennedy

 

Os Kennedy, um apelido lendário, são uma família que, se as suas peripécias ocorressem no cenário de uma novela televisiva, provocariam a demissão imediata do guionista capaz de idealizar uma história tão carregada de desgraças e pouco credível. Sendo uma das dinastias mais poderosas dos Estados Unidos, assassinatos e escândalos parecem ter desabado sobre eles de modo especial. Relembremos rapidamente este impressionante cumular de desgraças para fazermos uma ideia das dimensões do que estamos a falar.

A considerável fortuna dos Kennedy procede do contrabando de álcool nos velhos tempos da Lei Seca. Aqueles primeiros tempos trariam à família importantes laços com alguns membros proeminentes do crime organizado que seriam de crucial importância nos acontecimentos dos anos vindouros. Joe Kennedy, o patriarca da família, não era todavia um gangster vulgar, sendo mais um empreendedor que viu na legislação contra o álcool um lucrativo nicho de mercado. No entanto, tão-pouco se pode dizer que fosse um santo. As desgraças familiares começaram oficialmente quando em 1941 Joe mandou que fosse feita uma lobotomia à sua filha Rosemary para a curar das suas frequentes crises epilépticas. Esta intervenção foi executada sem conhecimento de Rose, a mãe, embora isso não fosse a única coisa que a senhora Kennedy ignorava. Por exemplo, também não estava ao corrente da relação sentimental que o seu marido mantinha com a conhecida actriz Gloria Swanson. Segundo o autor Ronald Kessler, Joe seria uma das maiores influências no trágico destino dos seus filhos e netos: "A família Kennedy tem uma longa história de valores imprudentes e isso faz com que seja com frequência vítima de acidentes absurdos. Foi o velho Joseph - o patriarca do clã - aquele que inculcou nos seus o princípio de que para os Kennedy não existem regras que valham, nem limites que as possam parar. Ele dizia que um Kennedy nunca conhece o medo e nunca mostra as suas emoções".

A tragédia visitou pela segunda vez o casal Kennedy com a morte do seu filho Joseph, caído em combate durante a Segunda Guerra Mundial, enquanto pilotava um bombardeiro numa perigosa missão quanto à qual tinha sido avisado para não participar. Joseph era um grande conhecedor de Espanha. Cobriu como jornalista a guerra civil espanhola, primeiro em Barcelona, de onde partiu para Valência e de seguida para Madrid; daí partiu para Paris para ocupar o posto de adido de imprensa da embaixada dos Estados Unidos. Segundo parece, na Madrid republicana, entrou em contacto com um grupo de partidários da causa nacional pertencentes à quinta coluna e executou uma missão secreta a mando do governo inglês.

Algum tempo depois, em 1948, falecia em França em consequência de um acidente de aviação, Kathleen Kennedy, a filha rebelde que tinha cortado laços com a família devido às desavenças com o pai.

Com a morte de Joseph, que se tinha iniciado no mundo da política como delegado da convenção democrata em 1940, todas as esperanças do patriarca centraram-se no filho que se seguia, John Fitzgerald. Tal como o pai, o jovem Kennedy incorreu em numerosas infidelidades matrimoniais, entre elas a mais famosa foi a aventura que manteve com Marilyn Monroe. Também parece ter herdado a sua má sorte com os filhos. Em 1963, John Kennedy chorava a perda de um dos filhos, Patrick, falecido apenas dois dias depois do seu nascimento. Parece que a sua mulher, Jacqueline, era propensa a partos problemáticos, já que uma filha que tivera em solteira, antes da sua relação com Kennedy, nasceu morta. Para além disto, seguir-se-ia o aziago destino que persegue os Kennedy, e assim a 22 de Novembro de 1963, aquele que foi o primeiro presidente católico dos Estados Unidos foi assassinado em Dallas em circunstâncias ainda não esclarecidas.


Ler Artigo Completo(Pág.1/5) Página seguinte
Patrocínio
 
0Visualizações
0Impressões
0Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 


PUB

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acredita que Portugal pode ter um cargo de topo na Comissão Europeia?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper