Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


nacional

Portas satisfeito com o fim do SMO

por

E. M.*  

O ministro de Estado, da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, Paulo Portas, congratulou-se on-tem com a efectiva extinção do serviço militar obrigatório (SMO) mas alertou que a profissionalização das Forças Armadas é um desafio permanente.

«A profissionalização das Forças Armadas é um desafio de todos os anos», acentuou Paulo Portas, numa conferência de imprensa convocada em cima da hora para assinalar o dia em que acabou, formalmente, o SMO. O serviço militar obrigatório terminou, na prática há cerca de dois meses, tendo o facto sido então assinalado pelo Estado--Maior do Exército e pelo Governo, conforme o DN noticiou.

De acordo com o ministro, 19 de Novembro de 2004 é «uma data única na história da instituição militar e uma data relevante para o Estado-Nação que é Portugal».

Paulo Portas lembrou que em Portugal o caminho para a profissionalização foi feito sem rupturas relativamente à capacidade operacional das Forças Armadas, ao contrário do que aconteceu com vários aliados europeus. «A transição para o soldado profissional foi feita com segurança, não houve qualquer ruptura na capacidade operacional das Forças Armadas», sublinhou.

O ministro realçou o facto de o SMO ter acabado com antecedência (há quase dois meses) relativamente ao prazo previsto, o que, disse, contraria as «opiniões dos cépticos» e «fica bem ao Estado».


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
0Visualizações
0Impressões
0Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 


PUB

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acredita que Portugal pode ter um cargo de topo na Comissão Europeia?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper