Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


opiniao

A CRISE PORTUGUESA

por

João Miranda

Investigador em biotecnologia - jmirandadn@gmail.com  

A um ano das eleições, o Governo já tem uma desculpa: "A crise financeira está a chegar a Portugal." Mas Portugal está em crise há oito anos. Desde 2001, Portugal tem crescido a pouco mais de 1% ao ano. Este crescimento é muito inferior ao crescimento dos países que rivalizam com Portugal na União Europeia. No mesmo período, a Grécia e a República Checa cresceram cerca de 4% ao ano, a Eslováquia 6% ao ano e os países bálticos mais de 8% ao ano. No ranking do PIB per capita, Portugal foi ultrapassado pela República Checa em 2005 e este ano vai ser ultrapassado pela Eslováquia e pela Estónia. No ranking de competitividade do Fórum Económico Mundial, Portugal perdeu três lugares e está agora em 43.º lugar num total de 134 países. No ranking da liberdade económica da Heritage Foundation, Portugal está em 53.º lugar, logo atrás do Uganda.

De acordo com o estudo do Fórum Económico Mundial sobre a Competitividade, Portugal tem um mercado laboral pouco flexível, uma administração pública burocrática e ineficiente, um regime fiscal demasiado complexo e maus indicadores macroeconómicos. De acordo com o estudo da Heritage Foundation, os principais obstáculos à liberdade económica em Portugal são o peso do Estado na economia e as leis laborais. Estas debilidades da economia portuguesa não foram criadas pela crise internacional. Resultam de opções políticas feitas em Portugal pelos portugueses. Foram os portugueses que escolheram políticos com uma visão dirigista da economia. Os países da Europa de Leste optaram por impostos baixos e por uma política de laissez-faire. A Eslováquia, por exemplo, adoptou uma flat rate de 19%. A Lituânia tem um imposto sobre os lucros das empresas de 15% e a Letónia não cobra impostos sobre os lucros não distribuídos. Portugal optou por impostos mais elevados (25% sobre os lucros das empresas) e por programas politizados dirigidos por burocratas, como o sistema de projectos de interesse nacional e o choque tecnológico. Os portugueses só têm de se queixar das suas próprias opções.|


Patrocínio
 
23140Visualizações
43Impressões
13Comentários
11Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado





PUB
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com o endividamento do Estado para injetar 6 mil milhões na economia?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper