Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Roma

Criminoso nazi continua polémico mesmo depois de morto

por Lusa, publicado por Ana Meireles  

Erich Priebke morreu na semana passada
Erich Priebke morreu na semana passada Fotografia © Reuters

Um criminoso de guerra nazi que viveu 100 anos continua a suscitar polémica depois de morto: o Vaticano recusa fazer-lhe o funeral, a Argentina não o quer de volta e os familiares das suas vítimas querem-no cremado.

Erich Priebke, responsável por um massacre em Roma em 1944, estava a viver em prisão domiciliária em Roma até à sua morte, na semana passada.

O corpo do ex-capitão das SS, que nunca expressou arrependimento pelo seu papel no massacre de 335 italianos em represália pela morte de dez soldados alemães, está numa morgue da capital italiana à espera que lhe deem destino.

O seu advogado, Paolo Giachini, afirmou que Priebke seria enterrado junto da sua mulher na Argentina, onde viveu mais de 40 anos depois da II Guerra Mundial, mas o país recusou-se a receber o corpo.

As autoridades religiosas de Roma recusaram conceder-lhe um funeral católico, como é desejo da sua família.

"Os filhos querem que tenha um funeral católico. Querem que seja respeitada a vontade do seu pai, que sempre foi um cristão", frisou Giachini, em cuja casa Priebke vivia.


Ler Artigo Completo(Pág.1/4) Página seguinte
Patrocínio
 
11058Visualizações
10Impressões
51Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
RELACIONADO
 
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar
TSF Superbrand - DN destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a aproximação entre Estados Unidos e Cuba?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper