Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Massacre em mina da África do Sul

Tutu condena massacre e "indiferença dos novos-ricos"

por Texto da Agência Lusa, publicado por Patrícia Viegas  

Desmond Tutu, aqui com Nelson Mandela, duas figuras muito importantes na luta contra o regime racista do Apartheid na África do Sul
Desmond Tutu, aqui com Nelson Mandela, duas figuras muito importantes na luta contra o regime racista do Apartheid na África do Sul Fotografia © Reuters

O arcebispo sul-africano e Prémio Nobel da Paz, Desmond Tutu, condenou hoje o massacre de 34 mineiros em Marikana, na semana passada, criticando igualmente a indiferença dos novos-ricos face à pobreza e desigualdade no seu país.

Numa coluna de opinião no suplemento económico do "The Star" de Joanesburgo, Desmond Tutu afirma que, apesar de condenar os acontecimentos, entende o sentimento de impotência dos agentes da polícia sul-africana perante os elevados níveis de violência e a catadupa de protestos populares contra o Governo que se verificam um pouco ppor todo o país.

"Apesar de condenarmos sem hesitação a polícia por massacrar 34 mineiros na semana passada e de exigirmos a utilização de métodos não-letais no controlo de multidões, simpatizamos também com a vasta maioria de bons homens e mulheres que servem na polícia, que lutam por executar um trabalho muito difícil, ao mesmo tempo que tentam fazer sentido dos escândalos de corrupção ao mais alto nível (da estrutura), para não mencionar que os seus líderes os incitam a atirar a matar", escreveu aquele que é considerado um símbolo da luta anti-"apartheid".

"Como Nação falhámos na tarefa de construir sobre as fundações da magnanimidade, preocupação com o nosso semelhante, orgulho e esperança personificados na presidência do nosso extraordinário 'tata' (pai) Nelson Mandela", admite o prémio Nobel da Paz de 1984.

Tutu afirma que o seu país criou uma constituição e um quadro político que provocam a inveja do mundo, mas tem os corredores do poder dominados por homens motivados apenas pelo consumismo e pela corrupção.

"Os poderosos parecem cada vez mais preocupados em preservar o poder do que em governar o país ou aliviar a sorte dos pobres. Sob o apartheid travávamos batalhas diárias pelo direito à associação, a protestar e a marchar. Agora, que esses direitos são consagrados na Constituição, abusamos deles", refere Tutu, questionando-se porque é que nos protestos públicos as pessoas destroem e roubam propriedade alheia.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
3403Visualizações
1 Impressão
17Comentários
2Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
RELACIONADO
 
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Como classifica a entrevista do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, ontem à RTP?

Muito boa
Boa
Medíocre

Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper