Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Empresa

Google paga a trabalhadores mesmo depois da sua morte

por Leonor Mateus Ferreira, editada por Patrícia Viegas  

Google paga a trabalhadores mesmo depois da sua morte

A empresa Google está entre as melhores do mundo para trabalhar. São muitas as regalias que os funcionários têm e agora, ao que parece, até depois da sua morte. Pensões para cônjuges e filhos mesmo depois da morte dos funcionários vieram juntar-se a outros benefícios como refeições gourmet, acesso a jogos ou massagens.

Laszlo Bock, gerente de recursos humanos da multinacional, explicou numa entrevista à revista Forbes que, durante dez anos após a morte, os parceiros dos funcionários recebem 50% da sua remuneração. Os filhos, por seu lado, recebem mil dólares (810 euros) por mês até completarem 19 anos ou 23 se forem estudantes a tempo inteiro.

"Uma das coisas de que me apercebi recentemente foi que um dos factos mais duros mas fiáveis na vida é que a determinado momento, a maioria de nós irá deparar-se com a morte dos nossos parceiros. E é horrível, um tempo difícil, mas de cada vez que me confronto com isso enquanto empresa, tentamos encontrar forma de ajudar o cônjuge vivo", explicou Laszlo Block na entrevista.

A estratégia era já discutida há mais de uma década e resultou no pacote de benefícios que foi posto em prática em 2011. Antes disso, os funcionários que morriam também não ficavam totalmente esquecidos, no entanto, cada caso era estudado individualmente. O novo benefício afeta a maioria dos 34 mil funcionários da multinacional.

"Claro que há estudos que indicam que este tipo de benefícios melhoram a nossa capacidade de reter funcionários e melhoram os desempenhos. A razão pela qual estamos a fazer estas coisas pelos funcionários não é só porque é importante para os negócios, mas simplesmente porque é a coisa certa a fazer. Nos momentos decisivos, é melhor trabalhar para uma empresa que se preocupa com os seus funcionários do que para uma empresa que não se preocupa", declarou Laszlo Bock.

"Na Google nós olhamos menos para idade da pessoa e mais para as suas necessidades. Obviamente não há benefícios para a Google. Mas é importante para a empresa ajudar as famílias a passarem por esse horrível mas inevitável momento na vida", acrescentou o gerente de recursos humanos.


Patrocínio
 
5627Visualizações
0Impressões
23Comentários
1Envio
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado





PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Concorda com a formação de turmas de nível, que separam os bons dos maus alunos?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper