Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Londres

Caos na segurança dos Jogos Olímpicos

por Paula Mourato  

Caos na segurança dos Jogos Olímpicos
Fotografia © REUTERS - Luke MacGregor

A duas semanas do início dos Jogos Olímpicos, por causa do fracasso das empresas privadas de segurança, o governo britânico foi obrigado a recrutar mais 3500 soldados do que o previsto. Segundo o jornal espanhol El Mundo o caos está instalado. Existem ainda problemas nos transportes, estações em obras e estradas fora de circulação.

Os Jogos Olímpicos arriscam-se a começar, em Londres, no dia 27 de julho sem todos os problemas de segurança resolvidos. A empresa privada G-4S - responsável pela segurança - já reconheceu que não têm elementos suficientes para garantir o acesso ao Parque Olímpico e por isso o governo britânico foi forçado a intervir recrutando mais 3500 soldados, contabilizando no total 17 mil efetivos do Exército no local.

Mil soldados terão de vir a partir de uma base alemã. Muitos outros foram recrutados mal chegaram do Afeganistão. A militarização dos Jogos Olímpicos é inevitável e a fatura que o contribuinte britânico terá de pagar por este "plano de contingência" é de 25 milhões de euros.

O fiasco da empresa G-4S, que em maio anunciou ter 100 mil ofertas para preencher 10 mil vagas de emprego, foi claro para o governo de David Cameron, empenhado a cortar nos efetivos de polícia em nome da austeridade, e em deixar nas mãos dos privados a rentabilidade do negócio da segurança. Um ex-funcionário da G-4S declarou à Skynews que a falta de formação dos agentes privados é tal que "nas condições atuais há um risco de 50% de alguém conseguir realizar um atentado e enganar a segurança".

Escândalo semelhante aconteceu nos aeroportos, forçados a contar com funcionários públicos depois de ser evidente que as empresas privadas não tinham pessoal qualificado suficiente para lidar com a enchente de mais de 300 mil visitantes esperados em Londres durante os Jogos.

A qualquer um destes escândalos teve de responder na Câmara dos Comuns a ministra do Interior, Theresa May, em risco de tornar-se a primeira vítima política em 2012. May anunciou - e até pareceu uma piada - que os soldados e as suas famílias recebem 10 mil bilhetes gratuitos para compensar o esforço de ficar sem férias.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
3370Visualizações
2Impressões
8Comentários
1Envio
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
RELACIONADO
 
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password




PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Coleção DN 150 anos - DN Destaque
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN (Remodelação) (25-26Nov))



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Detenção de José Sócrates vai prejudicar ação política do PS de António Costa?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper