Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Moçambique

Mulheres partem pedras para sustentar famílias

por Lusa  

Mãos trémulas, dedos paralisados, olhos vermelhos de tanta poeira, Helena Djimo, 55 anos, dá golpes de martelada para reduzir o tamanho de uma pedra, que irá alimentar a indústria de construção civil, seu ganha pão.

Djimo é uma das dezenas de mulheres no Chimoio, Manica, centro de Moçambique, que se dedicam a partir rochas para sustentar a construção de edifícios, já que a cidade não tem uma pedreira. Com um rendimento mensal, entre 700 a mil meticais (15.9 euros a 22.7 euros), elas pagam renda, alimentos, saúde e educação para os filhos.

"Outras perdem vista ou dedo quando estamos a reduzir o tamanho da pedra. É um verdadeiro martírio pela luta de sobrevivência. Muitas têm problemas de pulmões e constipação provocada pela poeira da pedra. Temos que arriscar por nós e nossos filhos", conta à Lusa, Helena Djimo, mãe de cinco filhos, há cinco anos na atividade de "processadora de pedras".

O negócio assenta na compra de carradas de pedras, geralmente partidas a picaretas por homens, para reduzir o tamanho de grossa para média e desta para fina. A pedra é basicamente usada na construção de habitação e asfalto de estradas.

"Nem sempre consigo juntar dinheiro por mês. A venda diária é usada para a compra de alimentos que sempre faltam em casa. "s vezes, os clientes devem a pedra e não reembolsam a tempo e acabas sem fundo para outra carrada. Enfim, preciso ajudar meu marido que está desempregado", explicou à Lusa, Elisa Vasco, 48 anos, quatro filhos por cuidar.

Para aumentar a produção e o rendimento mensal, há famílias que hipotecam a liberdade e a educação das crianças para que estas ajudem também no processamento de pedras, situação largamente combatida pelas autoridades governamentais.

"Parto pedra para ajudar meu pai em casa. Acordo cedo, venho trabalhar e regresso a casa às 10 horas para ir à escola e à tarde volto para fechar o dia. Já compro sozinho cadernos e lanche", conta Augusto Henriques, 13 anos, o caçula da casa há dois na atividade.

Dados do inquérito aos Orçamentos Familiares, publicado em 2010, uma pesquisa do Instituto Nacional de Estatísticas (INE), ligado ao Ministério de Planificação e Desenvolvimento, mostram que as políticas de luta contra a pobreza estão a falhar em Moçambique.

A pobreza agravou-se por todo o país, sobretudo na região centro, onde a situação é descrita como especialmente dramática. As taxas aumentaram de 54.1 por cento, em 2002-2003, para 54.7, em 2008-2009, segundo os dados refletidos na terceira avaliação da pobreza.

Segundo as estatísticas governamentais, o aumento da pobreza é descrito como dramático, no que se refere à "pobreza de consumo", na província de Manica, onde aumentou de 43.6 por cento, em 2002-2003, para 55.1 por cento, em 2008-2009.

O inquérito do INE incidiu em três pilares principais: a pobreza de consumo, a pobreza não monetária, e a desnutrição, além de outros indicadores como as desigualdades, a taxa de escolarização e o acesso à saúde.

"Temos clamado por iniciativas do governo, pelo menos na compra de equipamento de segurança, para continuarmos com o nosso trabalho, já que é o único que podemos fazer na falta de emprego para sustentar a família", explicou à Lusa, Rudho Tobias, há dez anos na atividade de "processador de pedra".

Entretanto, a governadora de Manica, Ana Comoane, disse que o seu executivo alocou este ano 11.8 milhões de meticais para ações de combate à pobreza urbana no Chimoio, tendo já sido formadas 6.601 pessoas (2.569 mulheres) em gestão de pequenos negócios.

Na lista dos pequenos negócios incluem-se corte e costura, montagem e reparação de bicicletas, pintura, culinária, construção civil, carpintaria e serralharia. Igualmente, no primeiro trimestre de 2011, foram colocados no mercado de trabalho 1.189 cidadãos (210 mulheres), mas a realidade no terreno sugere o contrário.

Artigo Parcial

Patrocínio
 
2584Visualizações
13Impressões
11Comentários
1Envio
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
TAGS
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado





PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acha que a Guiné Equatorial devia fazer parte da CPLP?

Sim
Não
Só se adotar o português como língua principal
Só depois de dar garantias de que respeita os direitos humanos
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper