Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


fome

Comunidade internacional procura acalmar mercados em Roma

por Lusa, texto publicado por Paula Mourato  

Comunidade internacional procura acalmar mercados em Roma
Fotografia © Fernando Fontes

A comunidade internacional vai reunir-se na terça-feira, em Roma, para celebrar o Dia Mundial da Alimentação, sob a égide da ONU, e refletir sobre os meios para reduzir as tensões nos mercados dos cereais.

Na próxima semana, a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), com sede em Roma, acolhe a reunião do Comité de Segurança Alimentar (CFS) constituído por outras agências da ONU, especialistas e representantes da sociedade civil.

De acordo com as últimas previsões da FAO, 870 milhões de pessoas não conseguem matar a fome, apesar deste número estar a recuar (1.000 milhões entre 1990-1992) mas é "muito alto", afirmou o diretor-geral desta organização, José Graziano da Silva.

A crise alimentar temida este verão com a seca que atingiu os Estados Unidos, um grande produtor mundial de cereais, não chegou a acontecer, mas a tensão continua e os preços nos mercados internacionais estão elevadíssimos, depois da descida das previsões noutros grandes produtores, caso da Rússia, União Europeia e da região do Mar Negro.

"Os preços dos alimentos são muito voláteis e perigosamente altos", disse o relator especial da ONU sobre o Direito à Alimentação, Olivier De Schutter, que pediu "uma resposta imediata" para estabilizar os preços.

Neste contexto, os ministros e delegados de alto nível que são esperados na terça-feira, em Roma, bem como o ministro da Agricultura francês, Stéphane Le Foll, deverão refletir sobre os meios para controlar o jogo dos mercados.

"Pelo menos 36 ministros", disse uma fonte francesa, incluindo da Rússia, Coreia do Sul, Japão, Brasil, Bangladesh, Filipinas, Camarões, mas também da Alemanha, Itália e do Reino Unido confirmaram a participação.

Os Estados Unidos estarão representados a "alto nível", disse a mesma fonte, adiantando que três temas fundamentais vão ser abordados: "a transparência do mercado, os meios para limitar a volatilidade dos preços e a possibilidade da criação e gestão de 'stocks' pré-posicionados nos países mais vulneráveis".

França pretendia realizar um "G20 para a agricultura", com os ministros da tutela das 20 mais poderosas economias do mundo, e defendeu uma reunião do Fórum de Resposta Rápida (FIR) para refletir sobre os 'stocks' de reservas.

A FRR foi criada em 2011 na cimeira do G20, em Cannes (sul de França), após a crise de 2007-2008, devido à subida dos preços mundiais dos cereias, tendo como missão ajudar a coordenar a resposta internacional à ameaça da crise alimentar.

Mas a ONU recebeu a sugestão com prudência: "Não se deve criar o pânico enviando sinais errados", destacou a FAO.

"Estas políticas devem ser concebidas com antecedência e não podem ser ditadas por circunstâncias de curto prazo", respondeu também Olivier De Schutter.

"Crise, de facto, não há. Mas os 'stocks' de reservas estão em níveis historicamente baixos para o milho e são apenas necessários para o trigo", de acordo com o departamento de Agricultura norte-americano.

Em termos de seca, a Austrália é um dos países afetados e a "incerteza vai durar" no hemisfério sul, de acordo com um especialista francês.

Nos países desenvolvidos (Estados Unidos e União Europeia), as culturas estão a cair quase 10 por cento.

Por isso, a FAO apoia a existência de verbas que possam ser destinadas aos países mais pobres e que estão em risco.

Artigo Parcial

Patrocínio
 
3583Visualizações
3Impressões
3Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
TAGS
 



PUB

NOTÍCIAS Mais VISTAS

Emirates Microsite 15destinos destaque DN




PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Agora que Pedro Santana Lopes se afastou da corrida, quem pensa que seria melhor candidato presidencial da direita?

Marcelo Rebelo de Sousa
Rui Rio
Deveriam ambos candidatar-se
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper