Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Garante Álvaro Santos Pereira

Medidas vão "inverter a situação atual" do desemprego

por Lusa, texto publicado por Sofia Fonseca  

Medidas vão "inverter a situação atual" do desemprego
Fotografia © Álvaro Isidoro / Global Imagens

O ministro da Economia disse hoje que as medidas que estão a ser tomadas pelo Governo vão "inverter a situação atual", depois de hoje ter sido conhecido que o desemprego subiu para 15,4 por cento em junho.

O ministro da Economia, que esteve hoje presente em Lisboa na cerimónia de assinatura dos contratos mineiros de Jales/Gralheira (no concelho transmontano de Vila Pouca de Aguiar), foi questionado pelos jornalistas sobre a taxa de desemprego em Portugal, em junho, que subiu duas décimas para os 15,4 por cento, apenas superada por Espanha e pela Grécia.

Em resposta, o ministro afirmou que o Governo continua a trabalhar nos três pilares da agenda do Emprego com vista a inverter a tendência crescente do desemprego em Portugal.

"Considero que estamos criar as condições para invertermos a situação atual. A emigração tem aumentado, a taxa de desemprego tem aumentado porque Portugal não tem crescido, porque até tomarmos posse não havia coragem para implementar as reformas económicas de que precisávamos", disse Santos Pereira.

O governante disse ainda que acredita que a entrada em vigor quarta-feira das alterações à legislação vai "certamente dinamizar o mercado de trabalho".


Patrocínio
 
3633Visualizações
4Impressões
59Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
RELACIONADO
 
Comentar

Se tem conta, faça Login

Email

Password




PUB
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - DN Destaque

Especiais

Recuar
Avançar




PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Justifica-se pagar 1500 euros para garantir médicos nas urgências no Natal e Ano Novo?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper