Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Biologia marinha

Peixe dos abismos descoberto junto à Madeira

por Filomena Naves  

Peixe dos abismos descoberto junto à Madeira

Investigador português participou na descoberta

O Cetichthys indagator é um peixe dos abismos, que não chega a ter 12 centímetros. Desde que foi descoberto ao largo da África do Sul e descrito pela primeira vez, nos anos de 1950, só tinha sido avistado em outras três ocasiões. Uma expedição da Universidade de Hamburgo, na qual participou o jovem biólogo português Rui Pedro Vieira, na altura na Universidade do Algarve, encontrou-o por aqui bem perto, nas profundidades do monte submarino de Ampere, entre a Madeira e a costa algarvia.

"Foi a primeira vez que se identificou esta espécie rara de peixe no Atlântico Norte", explica ao DN Rui Pedro Vieira, actualmente bolseiro de investigação no Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), da Universidade de Aveiro. "Foi uma emoção encontrá-lo em águas portuguesas", sublinha, mas, sobretudo, isso"contribui para o conhecimento da biodiversidade do mar profundo", adianta o jovem biólogo. A descrição do quinto peixe desta espécie a ser capturado foi publicada na edição deste mês do Jounal of Fish Biology.

A expedição decorreu em Novembro de 2010, durante cinco semanas, e foi organizada pela Universidade de Hamburgo, que convidou um investigador da Universidade do Algarve a participar. Rui Pedro Vieira, que estava na altura a fazer mestrado no Centro de Ciências do Mar da Universidade do Algarve, foi convidado pelo investigador Jorge Gonçalves para integrar a missão. "Havia uma equipa multidisciplinar e eu participei no grupo que estudou os peixes", conta.

Foi à sua bancada que foi parar o Cetichthys indagator , um peixe pouco vulgar, pelas suas cores, "de corpo castanho e barbatanas laranjas". O seu estudo mostrou a identidade da espécie, que só posteriormente, em Hamburgo acabou por ser confirmada.

A profundidade a que foi capturado é que não é conhecida, já que o método de captura, uma rede aberta, lançada a 4400 metros de profundidade e posteriormente recolhida, não permitiu fazer essa verificação. "Esta é uma espécie que vive abaixo dos mil metros profundidade, por isso sabemos apenas que foi recolhida entre essa profundidade e a dos 4400 metros", explica Rui Pedro Vieira, que é agora bolseiro de investigação na Universidade de Aveiro e continua estudar os peixes das profundidades.


Patrocínio
 
6498Visualizações
5Impressões
3Comentários
2Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado





PUB

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Epaper
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Qual o melhor presidente para o Brasil?

Dilma Rousseff
Aécio Neves
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper