Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Lisboa

Mónica Calle regressa a 'A Virgem Doida'

por Maria João Caetano  

Mónica Calle em 'A Virgem Doida'
Mónica Calle em 'A Virgem Doida' Fotografia © Glória Almeida/ Global Imagens

A atriz volta ao texto de Rimbaud, que esteve na base da primeira criação na Casa Conveniente. Mas vinte anos depois tudo é diferente. Em cena até domingo.

Nua, completamente nua, perante nós, Mónica Calle regressa a "A Virgem Doida", o texto de Rimbaud com que, há 20 anos, apresentou ao público a Casa Conveniente. Nua, completamente nua, e depois vestindo-se e depois voltando a ficar nua, tal como há 20 anos, embora tudo o resto seja diferente pois o espetáculo é outro e não se trata de uma recriação, trata-se de uma procura. "A intenção nunca foi fazer uma reprodução", explica a encenadora. "Quis voltar a Rimbaud e voltar a colocar-me num sítio de questionamento, de exposição, de descoberta, de experiência. De desafio como atriz."

Foi aí que se colocou e depois deixou-se ir. Para criar, Calle tem de se sentir livre. "Só assim é que faz sentido." "Tive que fazer um grande esforço para me libertar do espetáculo de há 20 anos. Quando comecei a trabalhar percebi que o meu corpo tinha uma memória desse espetáculo, dos gestos, das palavras. E tive que fazer uma limpeza, uma descontaminação interior", conta.

Mas isso não foi suficiente. A insatisfação persistiu até poucos dias antes da estreia, quando Mónica Calle estava a reformular todo o conceito. "Não estava a conseguir colocar o espetáculo num local de violência, de prazer, de experimentação, como gostaria. Há 20 anos só fiz "A Virgem Doida", mas à medida que trabalhava percebi que para mim esse texto já não seria suficiente. Precisava de outros textos que me levassem para outros sítios." A "A Virgem Doida" juntaram-se mais textos de "Uma Cerveja no Inferno", de Rimbaud. "Em vez de fazer o percurso da "virgem doida" vou fazer o meu percurso, o percurso que Rimbaud me permite."

E explica: "Aquele espetáculo teve uma força muito grande naquela altura, mas hoje tem de ser diferente. As circunstâncias são outras, o país é outro, eu sou outra. Já não sou uma jovem de 25 anos, sou uma mulher a envelhecer, com um corpo com marcas, que teve filhos, que tem outra sexualidade, com um passado. Por isso, aquilo que era arriscado já não o é agora."

Mónica Calle escolheu o Cais do Sodré muito antes de ele estar na moda. A antiga Casa Conveniente era mais perto do mercado e tinha janelas. Esta, para onde se mudaram já há uns anos, fica mesmo em frente do Jamaica, na carismática rua Nova do Carvalho, é é um quarto escuro. Uma porta para uma casa velha, com as antigas filas de cadeira do Nacional, com os estofos vermelhos esburacados, e um bocado de chão a servir de palco. A proximidade entre o ator e o espetador é uma das marcas do seu trabalho. Ali está Mónica Calle, com os seus olhos penetrantes, a voz a tremer, tão perto de nós, a cantar a "Valsinha" de Chico Buarque enquanto veste uma saia, uma camisa, uns sapatos de alto. A causar-nos arrepios, a comover-nos.


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
3498Visualizações
15Impressões
0Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado





PUB

Especiais

Recuar
Avançar
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100
Epaper

PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acha que a Guiné Equatorial devia fazer parte da CPLP?

Sim
Não
Só se adotar o português como língua principal
Só depois de dar garantias de que respeita os direitos humanos
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper