PSOE demite co-autor do relatório do FMI sobre Portugal

O vice-presidente da Fundação Ideas, vinculada ao PSOE, demitiu hoje o diretor da instituição, Carlos Mulas Granados -- um dos coautores do estudo do FMI sobre Portugal -, depois de comprovar que recebeu por trabalhos que assinou com um pseudónimo.

Jesús Caldera explica em comunicado ter tomado a decisão depois de "verificar as informações que apontavam à falsa autoria de um conjunto de trabalhos pagos pela fundação a quem assinava com o nome de Amy Martin".

No comunicado, onde explica que a Fundação estuda eventuais ações legais contra Granados, considera que este caso representa uma "gravíssima quebra de confiança" naquele que foi até agora diretor da Ideas.

"A sua atuação é inconcebível, tanto pela sua solvência intelectual e excelente currículo académico, como pelo facto de que desde segunda-feira tem reiterado a sua versão sobre a autoria dos citados trabalhos", disse.

Por isso, Caldera ordenou uma investigação "imediata e exaustiva" sobre a gestão de Carlos Mulas Granados, tendo este que devolver à Fundação as quantias que recebeu em 2010 e 2011 em nome de Amy Martin, autor supostamente fictício.

"A Fundação entregou já o caso aos seus advogados para estudem as possíveis ações legais contra o senhor Mulas", conclui o comunicado.

Antecipa-se que, ainda hoje, Jesús Caldera possa comparecer perante os jornalistas para prestar mais esclarecimentos.

Carlos Mulas Granados é um dos coautores do estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI) para Portugal, no qual são feitas sugestões para a reforma do Estado e para o corte de 4.000 milhões de euros.

Últimas notícias

Recomendadas

Contéudo Patrocinado

Mais popular