Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


Relance

Quando António Feio era o Luisinho

por PEDRO CORREIA  

Houve um tempo em que António Feio era o jovem actor mais célebre do País. Graças a um papel televisivo em que fazia de filho de Rui de Carvalho.

Lembro-me de António Feio ainda antes de ele se chamar António Feio. Explico melhor: nessa altura todo o País o conhecia por Luisinho. Era assim que se chamava a personagem do miúdo que ele representava naquela que foi a primeira telenovela portuguesa. Muito antes de Vila Faia e de o próprio termo 'telenovela' estar popularizado em Portugal.

Era ainda o tempo da TV a preto e branco, no final dos anos 60, e essa telenovela chamava-se Gente Nova. Foi um fenómeno de popularidade nessa época, concorrendo apenas com a série televisiva norte-americana O Fugi- tivo. Eu era um miúdo na altura, mas fazia os possíveis por não perder cada episódio desse folhetim, como então eram conhecidas as telenovelas, adaptando o termo clássico popularizado pela imprensa oitocentista. Sou incapaz de reconstituir hoje pormenores da trama: lembro vagamente que o Lui- sinho era filho de um casal da classe média. Tinha dois irmãos e era um garoto irrequieto. Eventuais complexidades do enredo escapavam obviamente ao meu olhar infantil em busca de modelos e de senhas de identidade.

Aquilo de que me recordo melhor é do elenco. Já nessa altura tinha o costume de fixar fichas técnicas e fichas artísticas. Conhecia o David Janssen, protagonista d'O Fugitivo. E o Don Adams, da série Olho Vivo. E, claro, a incomparável Elizabeth Mont- gomery, de Casei com Uma Feiticeira. Mas aquela irrepetível Gente Nova tinha o primeiro conjunto de actores portugueses que me atraía a atenção. Actores como Rui de Carvalho e Helena Félix, que interpretavam os pais do Luisinho. A loira Leonor Poeira, a morena Henriqueta Maia. O Carlos Queirós - não o seleccionador de futebol, mas o irmão de Florbela Queirós, que viria a radicar--se nos EUA. E, claro, o Luisinho/António Feio, que rapidamente se tornou um dos rostos mais conhecidos do País. Tão depressa o víamos na TV como nas capas das revistas (da Flama à Plateia, do Século Ilustrado à Rádio e Televisão) ou em vistosos cartazes publicitários (lembro-me dele num anúncio do Fosgluten, um "fortificante da memória").

Nunca mais vi o Luisinho. E tenho pena.


Patrocínio
 
1243Visualizações
0Impressões
0Comentários
0Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
Quando António Feio era o Luisinho
TAGS
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado





PUB
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

Acha justo prolongar corte nas horas extra e feriados?

Sim
Não
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper