Conteúdo patrocinado: Há luz no cais

O Tejo não é exceção, mas no que diz respeito ao seu troço final, onde está prestes a desaguar no oceano, a sua margem esquerda parece estar votada ao esquecimento, quando comparada com a zona do rio que se encontra com Lisboa. E isso não é necessariamente mau, dependendo do
lado do rio em que estamos.

Cacilhas é ainda hoje um ponto importante no transporte fluvial. De forma ritmada, os barcos chegam com centenas de passageiros vindos de Lisboa e partem com outros tantos que têm a capital como destino. A nós, chamou-nos a atenção uma pequena rua que sai do cais de embarque, desaparecendo imediatamente numa esquina, como se tivesse dado um mergulho no rio. Essa rua, com apenas a largura suficiente para que o Peugeot 2008 pudesse circular, leva ao Cais do Ginjal.

Os armazéns, que estão num estado de semi-ruína foram nos tempos áureos do Ginjal, parte da coluna vertebral da indústria conserveira. Não é de estranhar que ali bem perto, na Rua Cândido dos Reis, tenha aberto recentemente a Conserveira de Cacilhas, para relembrar esta ligação cultural a um antigo fator de desenvolvimento económico nacional. Hoje são uma tela gigante para a arte urbana, muita da qual merece um olhar demorado, tal como nos melhores museus.

Ao longo das centenas de metros que constituem o Cais do Ginjal, vemos vários mundos, vários protagonistas de histórias diferentes. Os pescadores desportistas e os que procuram apanhar a próxima refeição. Casais de namorados a passearem de mãos dadas, adolescentes a fazerem gazeta, algumas pessoas que tentam relembrar o cais nos dias cheios de vida. E se é verdade que essa vida já cá não está, também não é menos verdade que este cais continua a merecer uma visita.

No final do Cais do Ginjal existe uma das melhores esplanadas à beira-rio. Ponto final. Não vale a pena discutir que Lisboa tem muitas esplanadas, não vale a pena estar a apontar os armazéns abandonados ou a rua estreita que pode obrigar a fazer marcha-atrás durante metros a fio (é para isso que existe a câmara de visão traseira). Vale a pena, isso sim, ver o rio da outra margem, ver Lisboa com uma exterioridade que é difícil de alcançar nos dias que correm, estar num sítio onde apenas se ouve o rumor suave de ondas a beijarem uma praia vazia, com uma bebida fresca por companhia.

GINJAL - ONDE ESTÃO AS GINJAS?

Na época dourada do Cais do Ginjal, a família responsável pelo desenvolvimento económico da região, a família Theotónio Pereira, tinha pomares de ginjas plantados nas traseiras dos armazéns, onde passava as suas férias.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular