Publicidade
Diário de Notícias Diário de Notícias


GRANDE INVESTIGAÇÃO - CASO BPN

A fraude que pode custar 8,3 mil milhões

por DN.pt  

A fraude que pode custar 8,3 mil milhões
Fotografia © Diogo Maia/Global Imagens

O Estado já gastou 3,55 mil milhões de euros com o BPN, mas a fatura pode chegar aos 8,3 mil milhões. Até sexta-feira, o DN mostra como se chegou a este 'buraco', a teia de negócios que 'cheira' a fraude, os protagonistas das diferentes fases do BPN, os 356 processos em curso por todo o País, a supervisão do Banco de Portugal e a venda ao BIC.

O dinheiro público preso ao Banco Português de Negócios chegaria para pagar os subsídios de férias e de Natal dos funcionários públicos até 2015, altura prevista pelo Governo para a sua reposição gradual. Até agora o Estado já gastou com a nacionalização do BPN 3,5 mil milhões de euros, mas no pior dos cenários o banco vendido ao BIC, por 40 milhões, poderá custar aos bolsos dos contribuintes 8,3 mil milhões. Uma fatura que pode variar de acordo com o que render os despojos do BPN que ficaram nas mãos do Estado.

O custo final é, para já, impossível de contabilizar com precisão, mas os portugueses podem saber detalhadamente o ónus que arriscam a pagar de uma despesa contraída, sobretudo, por bancários, administradores e políticos e cuja data-limite de pagamento está afixada para 2020. Nessa altura, daqui a oito anos, as sociedades veículo criadas para abrigar o "bad bank" (as coisas más do banco, que o Governo retirou do negócio da venda) terão de estar liquidadas. Até lá, os impostos dos contribuintes vão pagar uma instituição bancária que "cheira" a fraude e que já levou ao banco dos réus 16 arguidos, entre eles José Oliveira e Costa, que presidiu o banco entre 1998 e 2008.

Com a ajuda de economistas, especialistas da banca, documentos internos do banco, do Governo e da União Europeia o DN fez as contas, para ajudar o contribuinte a perceber a fatura detalhada do que vai pagar e a potencial perda associada à primeira nacionalização dos últimos 30 anos.

Entre o que o Estado pode vir a suportar há uma "bomba-relógio" que se destaca e assusta os mais atentos: os 3,9 mil milhões de euros que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem de exposição nas empresas (veículos) criadas para absorver os ativos tóxicos do BPN para permitir o negócio da reprivatização. Tavares Moreira, governador do Banco de Portugal entre 1986 e 1992, explica que "só quando estes veículos forem liquidados, o que poderá só acontecer daqui a oito anos, é que se saberá a verdadeira perda do BPN. O relatório da terceira avaliação da troika indicou que só agora irá começar o processo de liquidação dos veículos". Ou seja: ainda falta muito para se saber quanto se vai perder. A certeza é que vai ser muito, segundo garantem os economistas.

"Acredito que há poucos ativos recuperáveis e o que não for recuperável o Estado será obrigado a pagar à Caixa", acrescenta Tavares Moreira. Consideração partilhada pelo especialista em banca e professor na Universidade Nova de Lisboa, Paulo Soares Pinho, que explica que "o que passou para as sociedades-veículo são ativos que ninguém quer, muitos devem valer zero".


Ler Artigo Completo(Pág.1/2) Página seguinte
Patrocínio
 
17622Visualizações
84Impressões
77Comentários
52Envios
Ferramentas

Enviar por EmailEnviar por EmailPartilharPartilhar
ImprimirImprimir
Aumentar TextoAumentar TextoDiminuir TextoDiminuir Texto

FERRAMENTAS
 
  • Enviar por EmailEnviar
  • PartilharPartilhar
  • ImprimirImprimir
  • Comentar este ArtigoComentar este Artigo
  • Aumentar TextoAumentar Texto
  • Diminuir TextoDiminuir Texto
 
PARTILHAR NOTíCIA
 
RELACIONADO
 
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados pessoais
  • Comentar

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




Notícias
 

 

Três anos para vender o banco foi trágico

 

Justiça sem capacidade para lidar com caso BPN

 

BPN vendido por um quarto das avaliações

 

Sistema judicial "não está preparado" para o BPN

 

Bruxelas avisa que vai ficar de olho no BIC

 

Estado fica com 300 milhões de dívida da SLN

 

A angústia de 580 'depositados' em empresas a prazo

 

Governo garante venda à terceira tentativa

 

Banco angolano ficou com o melhor do antigo BPN

 

"Governo pensou liquidar o BPN, valeu intervenção de Passos"

 

"Como poderia duvidar das contas, havendo revisores, auditores e BdP?"

 

"Não tenho dúvidas de que houve falhas clamorosas na supervisão"

 

Só há convergência dos partidos nos objetivos da comissão

 

PS colocou Oliveira Costa no cepo, oposição queria cabeça de Constâncio

 

Comissão de inquérito sem interesse para julgamento

 

Supervisores do Banco de Portugal foram promovidos

 

Governo ignorou Tribunal de Contas

 

BPN tentou criar um novo "Banco Insular" em São Tomé

 

Banco vendido mas nacionalização impugnada

 

De 'decisão acertada' a 'erro grave' em apenas três anos

 

A solução Cadilhe: nem Estado nem liquidação

 

CGD tentou comprar BPN 9 dias antes da nacionalização

 

"Pequenos investidores foram lesados"

 

Coleção valiosa de Miró escondida em armazém

 

O caso que marcou Figo e lhe tirou 850 mil euros

 

Presidente da Galilei acredita na revitalização do grupo

 

Cavaco Silva nega não ter pago imposto

 

Cavaco reage à Grande Investigação do DN

 

Estado pede 13,8 milhões a Oliveira e Costa

 

A teia de negócios que acabou em processo-crime

 

Arguido alega que queria salvaguardar o "interesse da economia nacional"

 

Terrenos, levantamentos em numerário e aumentos

 

O acionista que perde todos os processos contra a SLN

 

Um banco que dava milhões a quem pedia

 

Ascenção e queda do 'Zeca Diabo'

 

Cavaco e amigos do BPN têm segurança permanente

 

Caras do BPN deram 130 mil para campanha do Presidente

 

"O que se passou no BPN é a maior fraude na banca" lusa

 

A fraude que pode custar 8,3 mil milhões

 

Governo colocou gestores a ganhar 17 mil euros/mês

 

Corrida ao crédito no BPN após nacionalização

 



PUB
Continente UVA D'OURO 2014 DN 300x100

Especiais

Recuar
Avançar
BT Edições Multimédia
Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Epaper



PUBLICIDADE

sondagem

Inquérito DN

O aumento das multas fiscais por infração simples podem ir até 15 mil euros. Concorda com a decisão do governo?

SIM
NÃO
Votar  Ver Resultados



DN

Epaper

Epaper