TVI passou de situação financeira deficitária para líder de audiências

A TVI, "jóia" da coroa da Media Capital que deverá passar a contar com a PT entre os seus proprietários, nasceu em 1993, e passou de um passivo de 8 milhões de euros em 1997 para actual líder de audiências.

Com 16 anos de emissão, o quarto canal de televisão generalista foi fundado por entidades ligadas à Igreja Católica, incluindo a Rádio Renascença, a Universidade Católica Portuguesa e o Santuário de Fátima, sendo actualmente detida maioritariamente pelos espanhóis da Prisa, que detém com 94,4 por cento do capital da dona da TVI, a Media Capital.

A história da TVI pode, no entanto, resumir-se em duas fases essenciais: antes e depois da entrada da Media Capital.

O grupo Media Capital entrou no capital social da TVI em 1997, ao comprar 30 por cento da estação, tendo Miguel Paes do Amaral assumido a presidência do grupo.

Nesse ano começou a reformulação da estação de televisão que até então registava um fraco desempenho em termos de audiências e de receitas publicitárias.

Logo no ano seguinte, a Sonae, associada à Cisneros e à Lusomundo passa a deter a gestão da televisão depois de conseguir uma posição de relevo em várias assembleias-gerais.

É em 1998, pelas mãos de Belmiro de Azevedo, que José Eduardo Moniz passa a liderar a estação de televisão como director-geral.

Ainda em Outubro desse ano, a Sonae avança com um aumento de capital, altura em que a Media Capital exerce o seu direito de preferência e adquire as posições da Sonae, da Cisneros e da Lusomundo, passando a deter mais de 90 por cento do capital.

A luta pelas audiências começa desde então e, em 2000, dá-se a viragem histórica da TVI com a emissão do 'reality show' "Big Brother".

Simultaneamente, a estação de televisão relançou a informação e apostou na produção de ficção nacional, que se viria a tornar uma das suas principais âncoras.

Neste momento, a TVI é líder de audiências pelo quarto ano consecutivo, segundo dados da Marktest.

Em 2005 é a vez da Prisa entrar na TVI ao tornar-se, em Novembro, o accionista principal do grupo Media Capital.

Em Outubro de 2006, a Prisa lança uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a totalidade das acções representativas do capital social da Media Capital, passando a controlar o grupo.

A TVI passa assim a pertencer ao maior grupo de comunicação espanhol, que detém o diário El País, a rádio Cadena SER e o canal de televisão Cuatro e possui ainda negócios de media em 22 países europeus e da América Latina.

Os resultados da estação de televisão portuguesa tornam-na na empresa que neste momento mais contribui para as receitas da Media Capital.

Em 26 de Fevereiro deste ano, dá-se uma nova viragem na história da estação de televisão com o lançamento de um canal de informação por cabo, a TVI 24.

Para além da TVI e da TVI 24, o grupo Media Capital detém em Portugal várias estações de rádio, entre as quais, a Rádio Comercial e o Rádio Clube Português e o IOL, que é o segundo maior portal nacional na Internet.

O administrador da Media Capital, Miguel Gil, confirmou terça-feira à Lusa estarem a decorrer negociações para venda de uma participação na Media Capital.

Em comunicado enviado à CMVM, a PT confirmou também a existência de contactos com a Prisa para uma possível aquisição de uma participação no capital social da Media Capital.

A Prisa admitiu em 2007 vender entre 20 a 30 por cento da Media Capital, tendo afirmado que daria preferência a investidores portugueses.

O grupo espanhol atravessa actualmente dificuldades financeiras, com uma dívida que atinge os cinco mil milhões de euros.

ACF.

Lusa

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular