Afinal, satélites não "viram" desaparecimento de Maddie

Segundo o ex-inspector da PJ Gonçalo Amaral, os satélites que poderiam ter captado imagens do desaparecimento de Madeleine McCann na Praia da Luz estavam desviados naquele dia, adianta hoje o Correio da Manhã.

A hipótese colocada no fim-de-semana pelo jornal britânico Sunday Express, de que o desaparecimento de Madeleine McCann poderia ter sido fotografado por satélites norte-americanos, não se verifica, segundo declarações do ex-inspector da Polícia Judiciária (PJ), Gonçalo Amaral, ao jornal Correio da Manhã.

Gonçalo Amaral afirma que, quando estava à frente das investigações do desaparecimento de Madeleine McCann, a 3 de Maio de 2007, na Praia da Luz (em Lagos), a PJ pediu às autoridades norte-americanas para aceder às imagens.

A resposta ao pedido foi a informação de que os únicos satélites que poderiam ter imagens da Praia da Luz naquele dia “estavam virados para o Golfo de Cádiz, onde estava a decorrer um exercício naval”.

O ex-inspector disse ainda ao Correio da Manhã que, dadas as informações, a PJ não chegou a fazer um pedido formal das imagens e que duvida de que mais alguém as tenha solicitado. Segundo a mesma notícia, o porta-voz da família McCann, Clarence Mitchell, diz que as imagens da altura do desaparecimento que já existem se revelaram inúteis.

Clarence Mitchell e as autoridades do Reino Unido negaram estar a tentar obter imagens dos satélites.

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular