Jerónimo: "Contas feitas, foi-se o 14.º e o 13.º mês"

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou hoje, sábado, que, feitas as contas, as medidas de austeridade impostas pelo programa de ajuda externa a Portugal equivalem ao fim do 13.º e do 14.º meses em 2013.

Num discurso num palco improvisado, durante uma acção de rua em Benfica, Lisboa, Jerónimo de Sousa lembrou que, quando anunciou ao país o programa de ajuda externa a Portugal, "Sócrates veio afirmar que os portugueses não vão ver cortado o seu 13.º mês e o seu 14.º mês".

"Somados todos estes cortes, estes sacrifícios, nós pensamos que em 2013, contas feitas, foi-se o 14.º e foi-se o 13.º mês", acrescentou Jerónimo de Sousa, perante um grupo de apoiantes da CDU, coligação que junta o PCP e "Os Verdes".

Antes, o secretário-geral do PCP referiu que o programa de ajuda externa a Portugal inclui congelamento de salários, congelamento e corte de pensões, aumento dos impostos, incluindo o IVA e o IMI, aumento das taxas moderadoras na saúde e alteração da legislação laboral para tornar "mais barato despedir".

Segundo Jerónimo de Sousa, PS, PSD e CDS-PP subscreveram "um programa de submissão e de agressão ao povo português" que era desnecessário, que serve "fundamentalmente para salvar a banca" e apenas sacrifica "quem trabalha" e "quem vive da sua reforma ou da sua pensão".

Últimas notícias

Recomendadas

Contéudo Patrocinado

Mais popular