CDS invoca Cavaco para exigir "contenção" a Marcelo

O líder parlamentar centrista exigiu esta noite a Marcelo Rebelo de Sousa que amanhã não use o seu comentário semanal na televisão para fazer apelos ao voto útil que prejudiquem o CDS e que ponham em causa a relação do Presidente da República com o partido.

"Amanhã vamos ter mais um momento de televisão em que - diga o CDS o que disser - já sabemos que vão ser feitos apelos ao voto útil," começou Pedro Mota Soares. "Eu apelo ao professor Marcelo que se lembre que é conselheiro de Estado e que se exige responsabilidade, equidade e imparcialidade nessa função. Prejudicar o CDS com apelos ao voto útil é exactamente o contrário."

Mota Soares lembrou que Marcelo foi escolhido pelo Presidente da República e recordou o apoio que o CDS deu à eleição de Cavaco Silva: "Tenho de lhe dizer que os seus comentários não podem pôr em causa uma coisa que é a relação com um partido que o Presidente teve na base da sua eleição."

A fechar o jantar comício em Viseu, também Paulo Portas atacou o discurso do voto útil do PSD. "Eu sei que andam por ai a falar naquilo que eles chamam de votos úteis. O que é que está em causa são votos úteis ou deputados úteis? Eu passo a explicar. Em Lisboa, CDS mais um, PS perde um. No Porto, CDS mais um deputado, PS perde um". E assim continuou apontando para outros distritos do pais. "É o crescimento do CDS que vai tirar votos ao PS."

No dia em que o Expresso deu conta das "reservas de Belém" com a ideia de encolher o Governo, o líder centrista defendeu a proposta do CDS para reduzir para 12 o número de ministérios. "Entre os 15 ministros pouco competentes do PS e os dez pouco pensados do PSD está a proposta do CDS. Uma vez mais é o CDS que tem a voz da moderação. Não é possível sacrificar a Agricultura ou apagar a Justiça," disse, numa critica aberta ao plano de Passos Coelho.

Últimas notícias

Mais popular