Paulo Portas: Cavaco Silva colocou "o dedo na ferida" ao defender crescimento económico

O líder do CDS-PP considerou hoje que o Presidente da República colocou "o dedo na ferida", ao abordar o crescimento económico como condição para a criação de emprego, sublinhando que é preciso "mudar de vida".

"Chamaria a atenção para o dedo na ferida que [Cavaco Silva] colocou relativamente à necessidade de proteger o crescimento económico, que é a condição para a criação de emprego", disse Paulo Portas aos jornalistas, à saída do debate na RTP com o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa.

Paulo Portas sublinhou que o discurso de Cavaco Silva ao país "é uma intervenção de quem sabe de política económica", acrescentando que o Presidente da República explicou "com muito realismo" por que é que se tornou inevitável o pedido de ajuda externa.

Paulo Portas e Jerónimo de Sousa inauguraram hoje, na RTP, os debates televisivos entre os cinco principais partidos com representação parlamentar.

Durante o debate, o líder do CDS-PP disse, sobre a comunicação de Cavaco Silva, ter ficado "muito sensibilizado" com o apelo presidencial para que os portugueses consumam produtos nacionais.

Por outro lado, destacou a necessidade de "uma ética social", sobretudo em tempos de austeridade.

"Ainda mais em tempo de austeridade que o Estado deve dar o exemplo e ainda mais em tempo de austeridade necessário para proteger o crescimento económico", disse.

Últimas notícias

Mais popular