Dívidas no crédito ao consumo sobem 27%

As estatísticas do crédito referentes a Abril demonstram que está a aumentar o crédito malparado. Seja no consumo, na habitação ou em geral, o peso da cobrança duvidosa é cada vez maior.

O endividamento dos portugueses voltou a subir em Abril. Apesar da crise, o recurso ao crédito não dá sinais de abrandar. Mas, mais do que a subida na concessão de crédito, registou-se um aumento mais acentuado no malparado.

Os montantes totais em incumprimento subiram, em valores absolutos, 16,4% até Abril face a igual mês do ano passado, ultrapassando a fasquia dos 2,5 mil milhões de euros, com especial agravamento nos empréstimos ao consumo. Face ao total concedido, o rácio de malparado subiu para 1,9%, mais 5,5% que nos primeiros quatro meses de 2007.

De acordo com o boletim estatístico de Junho do Banco de Portugal, ontem divulgado, o crédito de cobrança duvidosa no consumo subiu 57% em montantes absolutos de Abril a Abril, com o crédito total concedido a particulares para a compra de automóveis, electrodomésticos e outros bens de consumo a subir 25%, para os 14,7 mil milhões de euros.

Perante esta subida acentuada do malparado, o rácio de incumprimento passou para 3,8% do total atribuído, uma subida de 26,6% face a igual mês do ano passado.

Apesar do aumento mais acentuado no financiamento ao consumo, o malparado cresceu igualmente nos empréstimos à habitação e no crédito em geral, visível através de um aumento do rácio de incumprimento. Assim, a cobrança duvidosa na habitação representava, em Abril, 1,3% do total concedido para este efeito, ou seja, um aumento de 8,3% face ao mesmo rácio registado em Abril de 2007.

Já são mais de 1,3 mil milhões de euros as dívidas de crédito à habitação consideradas de cobrança duvidosa, um crescimento absoluto de 13,2% em relação ao primeiro quadrimestre do ano passado. A procura de portugueses por novos contratos hipotecários levou a um aumento de 9,2% no crédito concedido para a compra de casa. Mais um sinal de que a subida dos juros não está a travar a procura.

No total, os empréstimos a particulares ascendem a 130,8 mil milhões de euros, mais 10,2% que nos primeiros quatro meses do ano passado.
Os montantes de cobrança duvidosa totalizaram, em Abril, 2,5 mil milhões de euros, um crescimento de 1,6% face ao mês anterior.

Últimas notícias

Mais popular