Rendas de casas na periferia subiram 200 euros desde 2009

A maioria opta pelos arredores porque não consegue suportar os preços nas grandes cidades. Mas há quem vá por opção

Nas cidades à volta de Lisboa e do Porto o valor das rendas marca bem o período do antes e do pós-crise. Com as rendas das grandes cidades em níveis fora do alcance da bolsa da generalidade dos portugueses, a procura virou-se para os arredores, mas também aqui os preços já não são o que eram. Se em 2009 era possível encontrar um T2 por 300 euros, agora são necessários 500. No Grande Porto o panorama é idêntico e a renda média aumentou perto de 200 euros.

Médias à parte, a saga de Sofia Fernandes na procura de um apartamento T2 à volta de Lisboa para arrendar é reveladora de como os preços têm subido. E de como este processo facilmente se pode transformar numa espécie de competição. Desde que avançou para o terreno, há cerca de um ano, já viu um bocadinho de tudo: rendas de 700 e 800 euros por um T2 na Amadora, "com dois ou três meses de caução, mais a renda da entrada e fiador"; ou mil euros por um T3 em Carnaxide - com opção de usar apenas um quarto por 400 euros.

Por este motivo, e por Lisboa não ser uma opção - "não vale a pena o custo de uma renda na capital para quem, como eu, trabalha no Cacém" -, quando se deparou com uma casa por 550 euros em Algés, Sofia correu para o telefone. "A senhoria disse-me que recebeu entre 50 e 70 chamadas por dia nos dois em que o anúncio esteve disponível", contou ao DN/Dinheiro Vivo. Apesar da competição, Sofia ainda teve esperança de conseguir a casa, já que lhe foi pedida documentação, IRS, recibos, fiador. "Mas no fim disse-nos que tinha escolhido outra pessoa", conta Sofia, que já viu casas "com cozinhas em que falta tudo e pelas quais se pede preços incríveis".

Ricardo Sousa, administrador da Century 21 Portugal, acompanha a subida de rendas que se tem vindo a verificar e acentua que o movimento é "transversal", pois não se limita às cidades de Lisboa e do Porto. O problema, refere, é o mesmo que tem feito subir os valores de venda: a falta de oferta, que se sente ainda mais no arrendamento. Esta situação leva a que na rede desta imobiliária os imóveis nem cheguem a ficar visíveis no site: vão diretamente para os clientes em espera. "Uma renda de 800 euros em alguns locais à volta de Lisboa era impensável há uns anos, mas agora também estas zonas estão mais dinâmicas e os preços subiram."

Este movimento nas periferias não escapou a Luís Lima, mas o presidente da Associação Portuguesa das Empresas de Mediação Imobiliária (APEMIP) salienta que, ao contrário do que sucede no Porto e em Lisboa, nos arredores há ainda algum desfasamento entre os valores pedidos e os concretizados (ver entrevista ao lado). Os cálculos da Century 21 indicam que em 2009 o valor médio das rendas à volta de Lisboa avançou cerca de 200 euros. À volta do Porto o acréscimo foi da mesma ordem de grandeza, segundo indicam os dados do Imovirtual.

O índice Confidencial Imobiliário (Ci) é igualmente revelador do dinamismo do mercado. Na cidade de Lisboa, a variação homóloga de preços chegou ao final de 2016 a somar 12 trimestres consecutivos de subida. No Porto, as rendas sentiram um forte impulso a partir de meados do ano e a nível nacional as rendas registaram, na reta final do ano passado, a maior variação homóloga desde o início de 2011 (ver infografia).

Esta subida de preços (que acompanha também as vendas) não prenuncia nenhuma bolha, afirma Luís Lima, e esta é também a opinião de Ricardo Sousa. Porque os bancos são hoje muito mais rigorosos na concessão de crédito e há muitos estrangeiros a comprar.

Eric van Leuven, managing partner da Cushman & Wakefield em Portugal, faz a mesma leitura em relação ao setor do comércio e serviços. Antes da crise era comum as empresas pedirem financiamentos até 90% para investir, agora o crédito ronda os 50%, referiu ao DN/Dinheiro Vivo. Além disso, os investidores têm agora muitas nacionalidades, o que também afasta o mercado do perfil que se viu antes do rebentar da crise económica.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Dinheiro
Pub
Pub