Gigante norte-americana compra Porta dos Fundos

Coletivo brasileiro esteve em Portugal em 2016 e regressa em junho com Portátil

A Viacom, detentora da Paramount Pictures, MTV e outras marcas, quer internacionalizar grupo brasileiro e garante que não vai interferir nos conteúdos. Valor do negócio é segredo

A Porta dos Fundos, produtora brasileira de conteúdos humorísticos, foi adquirida, na quarta-feira, pela Viacom, gigante norte-americano de media e comunicação. Os valores do negócio e a percentagem comprada não foram revelados mas sabe-se que a companhia liderada pelo magnata Sumner Redstone se tornará sócia maioritária. A estratégia da dona da Paramount Pictures, MTV e outras marcas é ampliar a sua importância na América Latina e levar o grupo de humor aos cardápios da televisão a cabo da Europa e dos EUA. Os criadores do Porta salvaguardaram que continuarão a ter liberdade total na produção de conteúdos.

Fundada em agosto de 2012 pelos roteiristas Ian SBF, Fábio Porchat, Gregório Duvivier, Antonio Tabet e João Vicente de Castro, os quatro últimos também atores e o primeiro realizador, a Porta dos Fundos conseguiu logo nos primeiros seis meses de exibição atingir 30 milhões de visualizações no site de vídeos YouTube, o que lhe concedeu a liderança brasileira no canal, principalmente graças a públicos entre os 20 e os 45 anos. A liderança foi perdida em outubro de 2016 para o também humorista Whindersson Nunes, segundo o site de análises SocialBlade. No entanto, outro site , o norte-americano Zefr, apontou a Porta dos Fundos como o mais influente canal do YouTube a nível mundial, à frente de três canais de jogos de computador, um dos EUA, outro do Canadá e um terceiro da Suécia, e do humorista americano Roman Atwood. Na televisão, assinou contrato com a Fox Brasil para a realização de séries. O Porta dos Fundos faz ainda tours dos seus espetáculos, incluindo por Portugal.

O presidente da subsidiária da Viacom para a América Latina Pierluigi Gazzolo afirmou ao jornal Folha de S. Paulo que a aquisição surge no seguimento da estratégia de ganhar escala na região, depois da compra da Telefe, rede de televisão de maior audiência na Argentina. "Apesar dos seus altos e baixos, a região mantém um crescimento muito bom, na área multimédia, em comparação com outros pontos do globo", disse Gazzolo. A opção pela Porta dos Fundos resulta "da incrível quantidade de conteúdos de qualidade, na área do humor, em formato curto e longo, que a Viacom pode explorar no Brasil e no mundo". "Queremos ser donos do conteúdo porque nos permite fazer muitas coisas em quaisquer plataformas." Não há ainda nenhum programa pensado em concreto mas, afirma o empresário, as ideias passam por lançar canais em outras línguas, como espanhol ou inglês, e expor o conteúdo na marca global Comedy Central, propriedade da Viacom.

Do lado da Porta dos Fundos, o acordo foi considerado "um grande passo para o grupo se expandir no mercado internacional, com novas oportunidades globais para o portfólio tanto online como offline. Além disso, o acordo prevê uma distribuição excecional de conteúdos", afirmou a CEO do grupo de humor, Teresa Gonzalez.

Gazzolo garante por outro lado que a Viacom não pretende interferir: "Não vamos mudar o que eles estão a fazer, nós separamos igreja e Estado, não temos inclinação política, mas se nos vamos tornar parceiros de uma marca que, de vez em quando, tem inclinação política, não a vamos mudar." O grupo tem já em fase de produção até um sketch a brincar com a situação para ser exibido no YouTube nas próximas horas.

VEJA AQUI O VÍDEO DA PORTA DOS FUNDOS SOBRE A VENDA

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Dinheiro
Pub
Pub