Custo de vida dos portugueses subiu mais do que os salários

A 1 de janeiro de 2002, os portugueses abandonavam o escudo e adotavam a moeda única. Quinze anos depois, qual o futuro do euro?

Um café custava 80 escudos e uma sandes pouco mais de cem. Para almoçar fora eram precisos quase dois contos e para ir ao cinema uma nota de 500 não era suficiente. Até que a 1 de janeiro de 2002 o dinheiro mudou de nome e de valor e uma ida ao supermercado passou a implicar muitas contas de cabeça.

Com a entrada em circulação do euro foram muitos os comerciantes que adotaram a técnica de arredondamento dos preços. "Alertámos para o aumento brusco do custo de vida devido aos arredondamentos. Embora não se tenha verificado esse fenómeno nas grandes superfícies, nas lojas mais pequenas notou-se muito e era comum transformar cem escudos num euro. Claro que teve impacto na vida dos consumidores", lembra Paulo Fonseca, coordenador do departamento jurídico da Deco.

Na realidade, o custo de vida aumentou mais do que os salários desde então. Por exemplo, o preço da bica subiu 50% em 15 anos, um bilhete de Metro aumentou 130% e um maço de tabaco 138%; o salário mínimo cresceu 52%, mas o rendimento médio disponível das famílias subiu pouco mais de 7 % (ver infografia).

Quinze anos e uma dolorosa crise financeira depois, o euro chega ao pico da adolescência debaixo de fogo cruzado e com traumas por resolver. "O euro foi um fator de destruição para a economia portuguesa, que deixou de ter instrumentos próprios para resolver as suas crises", considera Francisco Louçã, professor universitário. Para o ex-líder do Bloco de Esquerda, o euro foi benéfico para economias fortes, como a alemã, mas se mantiver o modelo atual, "é insustentável e não sobreviverá a outro crash financeiro".

Francisco Veloso prefere ver o copo meio cheio. "O euro veio trazer previsibilidade nas transações e em toda a circulação de moeda, pessoas e bens. Trouxe um nível significativo de conforto tanto para as famílias como para as empresas", destaca o diretor da Católica Lisbon School of Business and Economics. Ainda assim, reconhece as fragilidades que marcaram o processo de transição. "Deveriam ter sido logo introduzidos elementos complementares de coordenação económica, que não aconteceram à velocidade desejada, como se verificou mais tarde em países como Portugal e a Grécia." O economista diverge das vozes que proclamam que o fim da moeda está próximo. "É natural que haja forças políticas que defendam isso, mas estamos muito longe disso. Para mim não é claro que nos próximos dez anos uma economia como a grega não venha a equacionar de forma mais séria se quer ou não estar no euro, mas de forma geral acho que até vão existir outros países interessados em fazer parte da moeda única".

Também a Deco acredita que em 2032 estaremos a assinalar os 30 anos da zona euro. "Apesar de todas as tempestades, o que verificámos ao longo destes anos é que o euro foi muito positivo para a economia nacional. Estamos a falar de um poder de compra que não teríamos sem uma moeda tão forte", conclui Paulo Fonseca.

Atualmente, segundo o Banco de Portugal, os portugueses ainda guardam em casa 155,8 milhões de euros em notas de escudo, quase 16 euros por cada português. A troca pode ser feita até 31 de dezembro de 2022, mas o mais provável é que fiquem guardadas para sempre na gaveta como recordação.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular