Governo espera celeridade da Justiça

O secretário de Estado do Desporto e Juventude, Alexandre Mestre, disse esta sexta-feira que espera "celeridade na justiça" quanto à investigação da Polícia Judiciária sobre um eventual caso de corrupção a um árbitro de futebol.

"Todo e qualquer caso é bom que tenha a celeridade que se espera da justiça. E no plano desportivo, tendo em conta tudo o que está envolvido, mais célere se espera que seja a justiça", afirmou Alexandre Mestre, à margem da assinatura do contrato programa da missão paralímpica para Londres2012.

O secretário de Estado reagia desta forma ao eventual caso de corrupção no jogo dos quartos de final da Taça de Portugal entre o Sporting e o Marítimo, em dezembro último, que está a ser investigado pela Policia Judiciária e que foi noticiado em primeira mão pelo DN.

Na base da investigação está uma denúncia feita pelo Sporting à Federação Portuguesa de Futebol sobre um depósito de dois mil euros na conta do árbitro auxiliar José Cardinal, dias antes do encontro entre Sporting e Marítimo.

Alexandre Mestre escusou-se a fazer mais comentários, lembrando que, como jurista, não gosta de se pronunciar sobre casos que se encontram em segredo de justiça.

"Espero que atue quem de direito tem de atuar e, só depois de apurados os fatos, será conveniente pronunciar-me", disse o responsável.

Questionado se a imagem desportiva, nomeadamente do futebol, do país estaria a ficar prejudicada no estrangeiro, Alexandre Mestre minimizou a questão, afirmando que a imagem que os outros têm do fenómeno desportivo português "é excelente".

"A imagem que tenho de cada vez que dobro a fronteira é de me perguntarem pelo [Cristiano] Ronaldo, Figo ou Jorge Mendes. Há uma excelente imagem nas diferentes modalidades. No futebol, há uma excelente posição no 'ranking' da UEFA e da FIFA. Temos uma equipa na Liga Europa, há amanhã [sábado] a final da Taça da Liga. É nestes exemplos que o governo tem de se focar", frisou

Na quinta-feira, duas pessoas foram constituídas arguidas no âmbito de uma investigação que envolve o vice-presidente do Sporting Paulo Pereira Cristovão por denúncia caluniosa qualificada.

Na base da investigação está uma denúncia feita pelo Sporting à Federação Portuguesa de Futebol sobre um depósito de dois mil euros na conta do árbitro auxiliar José Cardinal, dias antes do encontro entre Sporting e Marítimo, dos quartos de final da Taça de Portugal.

De acordo com uma fonte ligada ao processo, na investigação veio a apurar-se que quem fez o depósito bancário é uma pessoa que profissionalmente está ligada ao vice-presidente do Sporting e terá, alegadamente, atuado para impedir que o árbitro auxiliar fizesse parte da equipa de arbitragem no encontro da Taça com os insulares.

A mesma fonte indicou ainda que a PJ efetuou na quinta-feira 10 buscas, das quais três domiciliárias, quatro em empresas, uma na SAD "leonina", outra na sede do clube e uma outra em um veículo.

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular