Um outsider na liderança no final de um dia bem agitado

Ott Tänak segurou o 1.º lugar após a passagem por Braga

Numa etapa com quatro líderes, Paddon, Latvala e Meeke não foram felizes e Ott Tänak segurou 1.º lugar por curta margem

Já faz parte da história do Rali de Portugal coroar pilotos que nunca tinham ganho uma prova do Mundial - aconteceu, por exemplo, com o finlandês Markku Alén (1975) e o francês Sébastien Ogier (2010). Agora, pode ser Ott Tänak a alcançar a primeira vitória da carreira em terras lusas. O outsider estónio acabou a etapa desta sexta-feira no 1.º lugar, após um dia bem agitado, com quatro trocas na liderança. Mas ainda é cedo para celebrar, pois só cinco segundos separam os três primeiros.

Ao volante de um Ford Fiesta, da equipa privada M-Sport, Tänak, de 29 anos, está a viver a melhor fase da carreira. Já somou três pódios neste ano (2.º na Suécia, 3.º em Monte Carlo e na Argentina), quase tantos como em seis épocas de presenças regulares no Mundial de ralis (quatro entre 2010 e 2016). E, apesar do estatuto secundário, começa a fazer sombra ao tetracampeão mundial e colega de equipa Sébastien Ogier. Exemplo disso é o desempenho em Portugal, mesmo que o piloto estónio tenha a liderança presa por uma curta margem.

Tänak foi o maior beneficiário de um dia muito intenso, com passagem por Viana do Castelo, Caminha, Ponte de Lima e Braga, quatro trocas na frente e a competitividade ao rubro. Depois de Thierry Neuville (Hyundai) e Mads Ostberg (Ford M-Sport), colíderes no arranque da jornada (terminaram empatados a superespecial de abertura, quinta--feira), serem destronados, também o neozelandês Hayden Paddon (Hyundai), o finlandês Jari-Matti Latvala (Toyota) e o britânico Kris Meeke (Citroën) não foram felizes, na tentativa de segurar a liderança.

Paddon parou, por duas vezes, com problemas elétricos - ficando a quase 11 minutos da frente. Latvala capotou, na segunda passagem por Ponte de Lima. E, no mesmo troço, Meeke (vencedor do rali no ano passado) foi obrigado a desistir com a suspensão do seu Citroën C3 WRC partida. Com tanto infortúnio alheio, Ott Tänak chegou ao 1.º lugar e conservou-o nas street stages (etapas urbanas) disputadas no centro de Braga. "Foi complicado, mas estou muito contente com este dia e com a liderança. Espero conseguir manter o andamento", disse o estónio, citado pela agência Lusa.

Tänak tem 4,6 segundos de vantagem sobre o espanhol Dani Sordo (Hyundai) e cinco sobre Sébastien Ogier, seu colega de equipa: uma margem curta, num rali ultracompetitivo como o de Portugal. O equilíbrio é tamanho que Ott Tänak, Kris Meeke e Craig Breen (Citroën) foram declarados vencedores do longo troço de Ponte de Lima 1, ao acabarem os três empatados, ao décimo de segundo (19.14,0 minutos), algo nunca antes visto no Mundial de ralis. Sábado, a animação continua, com seis especiais, com passagem por Vieira do Minho, Cabeceiras de Basto e Amarante.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular