Está preso num impasse o sonho olímpico da escalada portuguesa

Duas federações disputam a tutela da escalada desportiva, pondo em perigo a presença em Tóquio 2020. "A preocupação é bastante", diz André Neres, a maior figura nacional

Quando estava mais próximo do que nunca de se tornar realidade, o sonho olímpico da escalada desportiva portuguesa ficou preso num impasse. Uma disputa entre duas federações põe em risco a presença portuguesa em Tóquio 2020, edição de estreia da modalidade em Jogos Olímpicos. "A preocupação é bastante", reconhece André Neres, atleta luso com maior currículo e mais experiência internacional.
A bonança não afastou a tempestade. Após o Comité Olímpico Internacional ter concretizado, no verão passado, a velha ambição de escalada, karaté, skateboard, surf e basebol/softbol, integrando cinco novos desportos no programa olímpico, isso não desfez o imbróglio jurídico entre as duas federações que disputam a tutela da escalada. Pelo contrário, só veio agudizá-lo.
De um lado está a Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal (FCMP), única que tem estatuto de utilidade pública desportiva. Do outro a Federação Portuguesa de Montanhismo e Escalada (FPME), que nasceu de uma cisão na FCMP e é a única com inscrição ativa na International Federation of Sport Climbing (IFSC), organismo que rege a modalidade a nível mundial. E, no meio, ficam os atletas, impossibilitados de receber apoios do Comité Olímpico de Portugal, enquanto nenhuma das instituições cumprir todos os requisitos.
André Neres admite que a presença nos próximos Jogos Olímpicos (à qual seria o principal candidato) está "em risco". "Não está garantido que, resolvendo o impasse, alguém vá a Tóquio. Mas a ideia é que, se não formos, vamos aos Jogos seguintes. E temos de lançar já esse barco", aponta a principal figura da escalada desportiva em Portugal, que já perdeu a conta aos títulos nacionais - "dez ou 12, não sei precisar..." - e colecionou várias classificações de top 10 em festivais internacionais (como melhor resultado em mundiais tem um 31.º lugar, na prova de dificuldade, em 2014).
No entanto, por agora, a turbulência não deixa o barco avançar. E resolver o diferendo entre as duas federações tem sido bem mais difícil do que escalar um bloco ou parede rochosa. O atleta explicou ao DN que já promoveu um encontro oficioso entre ambas as direções, assim como a Secretaria de Estado da Juventude e Desporto realizou uma reunião com os representantes dos dois lados. Todavia, o impasse mantém-se. "A FPME recusa-se a negociar com a FCMP. Basicamente, não está interessada em uniões: acha que o único caminho é a FCMP perder estatuto de utilidade pública desportiva", atirou.

Uma troca de argumentos sem fim
Para tentar o entendimento que lhe permitisse passar a tutelar a modalidade, a FCMP propôs a união à FPME, oferecendo-lhe dois lugares de vice-presidente para a área da escalada na sua estrutura. A FPME recusou. "As propostas da Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal foram humilhantes. Não andamos à procura de poder, queremos apenas a escalada e o montanhismo a desenvolverem-se em Portugal", disse, à Lusa, o presidente da Federação Portuguesa de Montanhismo e Escalada, Carlos Gomes. "Não vamos desistir. O nosso programa é continuarmos a bater-nos pela escalada", contrapôs o homólogo da FCMP, João Queiroz.
E o braço-de-ferro prolonga-se. A FPME lembra que "é a única federação portuguesa membro efetivo da IFSC" e, logo, a "única reconhecida internacionalmente para apresentar atletas em competições internacionais", garantindo que a presença em Tóquio 2020 "não está em risco". E a FCMP reforça que "é a única entidade com estatuto de utilidade pública e reconhecida pelas várias entidades desportivas nacionais", assegurando que tem tentado "ultrapassar" o diferendo quanto à sua filiação na IFSC [suspensa por não pagamento de quotas] e feito "um esforço para reintegrar os muitos insatisfeitos da modalidade, afastados por uma gestão que não lhes foi favorável".
É esta nova orientação, propiciada pela mudança da direção da Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal, que faz André Neres crer que "a única solução" para o futuro da escalada lusa passa por a FCMP "voltar a ser reconhecida internacionalmente, para cumprir o único requisito que lhe falta". "A FCMP tem uma estrutura gigante. É a 5.ª maior federação do país. Não precisa dos escaladores para sobreviver. E está a rodear-se de pessoas capazes e úteis, estando já a trabalhar num projeto de seleção nacional", elogia o atleta.
No entanto, André Neres não fecha a porta à FPME: "Também tem pessoas capazes e acredito que as coisas iam avançar, embora inicialmente fosse um passo ao lado." Para ele, ao fim de 17 anos de dedicação à escalada (começou aos 14), o que importa é ter uma estrutura para "proporcionar aos miúdos novos as coisas" que não teve. E é também por eles que acredita que "tudo se vai resolver em breve".

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Desporto
Pub
Pub