O olhar justo de Bigelow

"Detroit", de Kathryn Bigelow

Como recriar uma situação verídica de horror sem cair no simplismo ilustrativo? Kathryn Bigelow responde com Detroit, este filme que retrata a América racial através dos tumultos que ocorreram na cidade em 1967.

A cineasta começa por jogar precisamente com esse sentido da ilustração, ao fazer um preâmbulo animado, a partir de quadros de Jacob Lawrence sobre a migração interna dos afro-americanos.

Imagens que dão lugar às linhas duras da realidade, afunilando do contexto geral dos motins para o violentíssimo episódio de ação policial que decorreu no Motel Algiers. Bigelow leva-nos ao ventre da circunstância, torna física a passagem do tempo e promove um foco visceral, sem incorrer em supérfluas elaborações dramáticas.

Resultando novamente de um trabalho conjunto com o argumentista Mark Boal, este é um justo e esmagador objeto de cinema.

Classificação: **** (Muito bom)

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Artes
Pub
Pub