Festival de Natal do Teatro Nacional S. Carlos começa na quinta-feira

O diretor artístico Patrick Dickie

O festival decorre até dia 23 e leva Concertos Corais, Concertos e Oficinas para Crianças e Jovens e Concertos Sinfónicos para Famílias ao S. Carlos, CCB e Estúdios Victor Córdon - Centro Educativo (EVC)

O Teatro Nacional de São Carlos (TNSC), em Lisboa, realiza, a partir de quinta-feira, o Festival de Natal, que visa mostrar o trabalho desta casa lírica "a mais crianças e famílias", afirmou o seu diretor artístico, Patrick Dickie.

O Festival, que decorre até ao dia 23 e se desenvolve em três eixos, tem por objetivo "que o nosso trabalho possa chegar a mais crianças e famílias, tornando o seu Natal mais especial e pleno de música", como afirma em comunicado o diretor artístico Patrick Dickie.

Concertos Corais, Concertos e Oficinas para Crianças e Jovens e Concertos Sinfónicos para Famílias são os três eixos do Festival de Natal, que se estende ao TNSC ao Centro Cultural de Belém (CCB) e aos Estúdios Victor Córdon - Centro Educativo (EVC).

O programa de Concertos Corais, "integralmente composto por repertório natalístico", acontece no foyer do TNSC, ao Chiado, com entrada gratuita, estando prevista a realização de oito concertos.

O concerto da abertura, na sexta-feira, é pelo Coro do TNSC, que volta a cantar nos dias 05 e 13, e ao longo da programação participam ainda coros infantis e juvenis, designadamente, os coros dos Pequenos Cantores da Academia de Amadores de Música, o Infantil Lisboa Cantat, o de Câmara da Escola de Música do Colégio Moderno, o Juvenil de Lisboa o dos Pequenos Cantores do Conservatório Nacional.

Na quinta-feira à tarde, no espaço de cenografia do TNSC, tem lugar a "Oficina do Pai Natal", "orientada para a construção e aplicação de decorações na árvore de natal que será colocada na entrada do TNSC".

A tradição da árvore de Natal foi trazida para Portugal pelo marido da rainha D. Maria II, D. Fernando, que nasceu há 200 anos em Viena.

Nos EVC, de 19 a 23 de dezembro, realiza-se o "Ateliê de Natal", que propõe "oficinas de dança criativa, cenografia e adereços, coro e música" sobre os temas do "Quebra-Nozes", o conto de Ernst T.A. Hoffmann, que inspirou a música para um bailado, de Piotr Illitch Tchaikovsky, com coreografia de Marius Petipa e Lev Ivanov.

Esta iniciativa "culminará numa pequena apresentação para os pais no final da semana".

Entre as duas oficinas são apresentamos dois concertos para crianças e jovens "Papagaio louro" e "A minha mãe ganso".

"Papagaio Louro é uma viagem musical a partir de histórias simples, contadas por instrumentistas da Orquestra Sinfónica Portuguesa (OSP)", e as entradas para este concerto fazem-se mediante a doação de bens alimentares ou de higiene para bebés, que reverterão para a Associação CrescerSer.

"A minha mãe ganso, de Maurice Ravel, é um concerto narrado por Natália Luiza, interpretado pela OSP, sob direção de Pedro Neves", e realiza-se no Centro Cultural de Belém, no dia 16. Ravel inspirou-se no livro de contos de Charles Perrault, na história com o mesmo título, para compor esta peça.

O outro eixo desta programação passa pelos concertos sinfónicos para famílias, que abrem no sábado, no TNSC, com a OSP, sob direção de Natalie Murray Beale, que vai interpretar "Pedro e o lobo", de Sergei Prokofiev, e The young person's guide to the orchestra/Concerto para jovens, de Benjamin Britten.

No dia 18 de dezembro, realiza-se um concerto no CCB, sob a direção de Pedro Neves, pela OSP e o Coro do TNSC, sendo solista o pianista Simon Trpceski. O programa deste concerto é constituído pelas suites "A minha mãe ganso", de Ravel, e The many moods of Christmas, a primeira de uma coletânea de quatro suites de canções de Natal, compiladas no início da década de 1960 pelo maestro de coro norte-americano Robert Shaw e pelo compositor e orquestrador Robert Russell Bennett, que trabalhou na Broadway.

A Suite n.º 1 de The many moods of Christmas é composta por temas tradicionais e canções natalícias, escritos por John Francis Wade e Franz Grüber.

O programa encerra com o Concerto para Piano N.º 1, em Si Bemol Maior, de Tchaikovsky, que o TNSC aponta como "uma das [suas obras] mais populares entre todos os concertos de piano".

Tchaikovsky compôs este concerto entre 1874 e inícios de 1875, "com uma orquestração viva e colorida muito ao sabor russo". Com três andamentos, este concerto "foi sujeito a várias revisões antes de ser estreado em Boston, em 1875.

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular