Basquiat entra no clube dos 100 milhões de dólares

Yusaku Maezawa junto da obra que comprou por 110,5 milhões de dólares

O crânio sem título de Jean-Michel Basquiat foi vendido em leilão por 110,5 milhões de dólares. É a primeira obra pós-anos 80 a atingir estes valores e foi adquirida por um milionário japonês, dono de uma fundação de arte contemporânea.

O norte-americano Jean-Michel Basquiat entrou na quinta-feira no clube dos artistas que já venderam obras por mais de 100 milhões de dólares, e o seu nome passa a figurar ao lado de artistas como Pablo Picasso, Vincent Van Gogh ou Andy Warhol. Uma obra sua, sem título, um crânio, foi vendido pela leiloeira Sotheby"s, em Nova Iorque, por 110 487 500 milhões, arredondados 110,5 milhões de dólares, ao multimilionário japonês Yusaku Maezawa. A transação bateu vários recordes sublinhados em corpo de letra grande no comunicado de imprensa que a Sotheby"s distribuiu de madrugada. É o preço mais alto alguma vez atingido por uma obra posterior a 1980. É o segundo preço mais alto que uma obra de arte contemporânea já atingiu. É o sexto preço mais alto para uma peça vendida em leilão.

Com a venda deste quadro, Basquiat torna-se também no artista americano a atingir o valor mais alto em leilão, ultrapassando um artista com quem se cruzou na cena artística nova-iorquina e de quem foi amigo próximo: Andy Warhol. Silver Car Crash (Double Disaster), leiloada em 2013, pela mesma Sotheby"s, por 108, 4 milhões de dólares, era, até agora, o quadro de um artista norte-americano que havia atingido os valores mais altos até quinta-feira à noite. Outros americanos, como o próprio Warhol, Jackson Pollock ou Mark Rothko têm peças mais bem classificadas nas obras mais caras de sempre, adquiridas em vendas privadas (ver ao lado).

Dez minutos de licitação

A licitação do lote 24 começou nos 57 milhões de dólares e foi transmitido em direto via Instagram. Foram precisos 10 minutos para o martelo bater na mesa. A disputa foi lenta mas contínua, a acontecer sobretudo pelo telefone, relata o The Art Newspaper.

Trata-se também de uma peça classificada de "virtualmente" desconhecida pela leiloeira. Desde 1984 que não aparecia no mercado. Nesse ano, foi vendida por 19 mil dólares. "Esta extraordinária tela de 1982 quebrou tantos recordes, mas aqueles de nós que tiveram a sorte de estar na sua presença vão recordar apenas o seu poder. Pensar que foi criada por um quase desconhecido de 21 anos faz-nos sentir humildes", afirmou Grégoire Billault, diretor do departamento de Arte Contemporânea da Sotheby"s em Nova Iorque, em comunicado.

Norte-americano de origem porto--riquenha, educado por um pai muito exigente, Jean-Michel Basquiat começou cedo a carreira, sofreu com a falta de reconhecimento entre os seus pares, e morreu em 1988, com 27 anos, vítima de overdose de heroína.

Deixou pelo menos mil quadros e uma história que tem sido amiúde revisitada, como aconteceu em 1996 no filme biográfico Basquiat realizado por Julian Schnabel, cineasta resgatado às artes plásticas e contemporâneo de Basquiat e Keith Haring. Menos de uma década depois da sua morte, a obra ganhava novo fôlego. David Bowie, que interpretou Andy Warhol no cinema, converte-se num dos maiores colecionadores da sua obra.

Nas mãos de um milionário japonês

A peça agora vendida vai para o Japão e o seu destino é ser vista em público. "Estamos encantados que tenha sido comprado por Yusaku Maezawa e para o museu que tem planeado para que outros tenham a possibilidade de experimentar a sua magia em primeira mão", afirmou o diretor do departamento de Arte Contemporânea da Sotheby"s em Nova Iorque.

Ao contrário do que tem acontecido em vários leilões de grandes peças, desta vez o nome do comprador foi divulgado oficialmente, e com direito a declarações. "Quando vi o quadro, fui atingido pelo entusiasmo e gratidão pelo meu amor pela arte. Quero partilhar esta experiência com o máximo de pessoas que conseguir à volta do mundo - independentemente da idade ou contexto e não importando se é colecionador ou não", disse, citado pelo comunicado da Sotheby"s. "Um dia esta pintura vai ser a peça central do meu museu na minha cidade natal, Chiba, mas antes gostaria de emprestar esta peça - que não foi vista durante mais de 30 anos - a instituições e exposições de todo o mundo. Espero que traga tanta satisfação aos outros como me dá a mim, e que esta obra-prima de Basquiat, aos 21 anos, inspire futuras gerações", continua.

E quem é o novo dono do Basquiat? "Um homem de sorte", segundo o próprio na sua conta no Twitter, onde publicou várias fotografias suas ao lado da nova aquisição - de pé, de pernas cruzadas, olhando pensativo...

Para lá das redes sociais (também está ativo no Instagram), Yusaku Maezawa é um multimilionário japonês, presidente e fundador da companhia de comércio eletrónico Start Today, em 1998, e da loja de venda de roupa e acessórios Zozotown, em 2004. Aos 41 anos é o 17.º homem mais rico do mundo, diz a revista Forbes. O volume total da fortuna: 2,7 mil milhões de dólares (2,4 mil milhões de euros).

Não é a primeira vez que compra uma obra de Jean-Michel Basquiat e que as suas aquisições dão nas vistas. Adquiriu em 2016, Devil"s Head, a mais cara de todas as peças então em leilão, por 57,3 milhões de dólares, e outras seis obras: uma de 13,9 milhões de euros de Christopher Wool, Runaway Nurse, de Richard Prince, por 9,7 milhões de euros, uma escultura chamada Lagosta do americano Jeff Koons por 6,9 milhões de euros, Autorretrato como Vincent Van Gogh do artista Adrian Ghenie por 2,6 milhões de euros, uma escultura de 5,8 milhões de euros de Alexander Calder e outra intitulada Eat War de Bruce Nauman por 1,69 milhões de euros. O cheque total era de 98 milhões de dólares. Essas obras tinham já um destino público, como antecipava a legenda que acompanhava a imagem do quadro: "Basquiat a chegar ao Japão". Maezawa pôs de pé a Contemporary Art Foundation, em Tóquio, onde se organizam exposições duas vezes por ano. Atualmente está patente uma mostra dedicada a Jean Prouvé. Há um ano planeava abrir uma galeria de exposições na sua cidade, Chiba. Aquela que receberá a obra de Basquiat recordista.

Balão de oxigénio para leiloeira

O leilão de quinta-feira atingiu os 319,2 milhões de dólares e a obra. A obra de Jean-Michel Basquiat representa 34,6% das vendas. As previsões apontavam para números entre os 211 e os 277,1 milhões de dólares. Os valores alcançados foram também uma nota positiva na história recente da leiloeira, que havia cedido terreno à rival Christie"s, segundo o Art Newspaper. E outros artistas bateram os seus recordes pessoais, como Jonas Wood, Wolfgang Tillmans, Mira Schendel, Blinky Palermo, Takeo Yamaguchi e Keith Haring.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular