"Nunca vou esquecer Portugal", diz Aznavour

Charles Aznavour atuou ontem à noite em Lisboa

Foi um Meo Arena completamente lotado que ontem à noite recebeu Charles Aznavour. Aos 92 anos, o cantor francês depressa fez esquecer a nostalgia que terá levado a maioria dos presentes à sala lisboeta, tal a vitalidade com que se apresentou em palco para "cantar canções de ontem, hoje e amanhã", como o próprio anunciou.

O decano da chanson française surpreendeu não só pela voz - tal e qual como sempre a conhecemos - mas também pela jovialidade com que apresentou em palco, perante um público totalmente rendido ao charme e sentido de humor de Aznavour. "Nunca vou esquecer Portugal, porque foi o primeiro país de língua estrangeira onde atuei", recordou a dada altura.

Durante quase duas horas, Charles Aznavour cantou, dançou, riu, emocionou e emocionou-se, quando, por mais que uma vez, as milhares de pessoas presentes o ouviram em completo silêncio. Afinal, não é todos os dias que se consegue estar assim, olhos nos olhos, em frente a uma "divindade da música", como já foi chamado. Porque é de imortalidade que se trata, quando se ouvem temas como She, Ave Maria ou La Bohème a serem cantados assim, como se fosse sempre pela primeira vez.

Relacionadas

Últimas notícias

Em 2013, o Governo Passos obrigou-se a três campanhas de sensibilização da opinião pública, até 2020, para combater a discriminação dos ciganos. Em 2017, o candidato do PSD a Loures faz a campanha contra eles; as sondagens dizem que a maioria aprova. De acordo com a autarquia, serão menos de 600 em 204 mil habitantes, estas pessoas que tanto incomodam. Quem são? Que fazem? Como se reconhecem? Viagem a Loures, à boleia de um estereótipo

Partilhar

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Artes
Pub
Pub