80 anos depois, Guernica continua a ser atual

O Guernica é uma das poucas obras do Reina Sofia que nunca viaja porque precisa de condições específicas de conservação

Obra maior do artista espanhol foi feita há oito décadas e viajou pelo mundo. Em "casa" desde 1981, continua a despertar muita curiosidade

10 de Setembro de 1981. Às 8.27 aterrava em Madrid o Boeing 747 Lope de Vega da companhia espanhola Iberia. Dentro deste avião estava um ilustre passageiro, o quadro Guernica de Picasso, que terminava assim 44 anos de exílio. Foi uma viagem de seis horas e sete minutos, desde Nova Iorque. A bordo encontravam-se os seis volumes, os seus esboços e desenhos. Só a tela, sem a moldura e a embalagem especial, pesava 516 quilos. Viajou sem seguro (de valor incalculável) mas com extremas medidas de segurança e graças ao acordo entre as autoridades do MOMA (onde estava em depósito) e do Estado espanhol. Por razões de segurança, ninguém da tripulação sabia que obra transportavam, só os altos quadros da companhia. Uma vez em terra, o comandante Juan López Durán deu a notícia: "Senhoras e senhores, bem vindos a Madrid. Tenho de vos dizer que viajaram acompanhados de Guernica, de Picasso no seu regresso a Espanha". Os passageiros aplaudiram.

Cumpria-se assim o desejo do génio Pablo Ruiz Picasso de levar o quadro para o seu país depois do regresso à democracia. Foram precisos quatro anos de negociações entre as duas partes para poder concretizar o "resgate", que tantos obstáculos teve de ultrapassar.

Faz agora 80 anos que o Guernica foi criado por Picasso e 25 que se exibe no Museu Reina Sofia, em Madrid. No meio, muitas viagens e aventuras do quadro que é considerado símbolo universal contra todas as guerras. "É das primeiras obras de arte que se dirige a um presente histórico. O artista reage a um acontecimento histórico", explica o subdiretor do Reina Sofía, o português João Fernandes. "É a imagem do horror da II Guerra Mundial".

Pablo Ruiz Picasso recebeu a encomenda do Governo espanhol da II República para realizar uma obra para a Exposição Universal de Paris de 1937. Esteve semanas e até meses sem inspiração até que aconteceu o fatídico acontecimento. O 26 de abril às 16.40 a aldeia basca de Guernica, a 30 quilómetros de Bilbau, foi bombardeada pela força aérea alemã. Uma população indefensa e teoricamente à margem do conflito bélico espanhol. Foi a primeira cidade destruída desde o ar. Depois da matança, o pintor de Málaga demorou sete semanas para acabar a sua obra de colossais dimensões. Uma obra onde mostra a dor da população basca e, ao mesmo tempo, é um grito contra todas as guerras. Guernica causou um grande impacto em Paris e posteriormente viajou até Oslo, Copenhaga, Estocolmo, Gotemburgo, Londres, Leeds, Liverpool e Manchester. Picasso foi muito claro ao explicar que não queria que o seu quadro, património do Estado espanhol, fosse exposto em Espanha até existirem no país garantias democráticas. Convertido numa celebridade, chegou a Nova York a 1 de Maio de 1939, um mês depois do fim da Guerra Civil espanhola.

O MOMA (Museu of Modern Art) tornou-se na sede permanente da tela mas ainda faltavam muitas viagens pela frente. "Esta obra foi mostrada sem condições museológicas, circulou imenso por muitos países e foi um símbolo do pacifismo", sublinha o subdiretor do Museu.

Desde 1956 o Guernica ficou em permanência no museu nova-iorquino para tentar travar a sua deterioração, até o regresso a casa. "É um grande documento do século XX e a sua chegada foi um acontecimento importante da democracia espanhola", explica João Fernandes, quem visitou a obra no Casón del Buen Retiro (extensão do museu de El Prado), "quando estava protegida por uma estrutura a prova de bala e custodiada por guardas com armas".

O Guernica é uma das poucas obras do Reina Sofia que nunca viaja porque precisa de condições específicas de conservação "pela fragilidade que tem depois da grande itinerância", lembra Fernandes. E existe sempre a controvérsia sobre o seu restauro. "Decidimos mantê-la como está, queremos evitar essa hipótese", acrescenta. O diretor do Reina Sofia, Borja-Villel, já reconheceu que se está "começar a estudar" a possibilidade de "retirar o verniz que foi aplicado quando chegou ao museu" mas ainda não está decidido.

80 anos depois, o Guernica continua a atrair a atenção desde muitos pontos do planeta, como mostrou a conferência de imprensa antes da inauguração da nova exposição, que contou com a presença de 150 jornalistas de diferentes países - e que bate já todos os recordes. O neto do artista, Bernard Ruiz - Picasso, lembrou então que esta exposição é "histórica" e não tem dúvidas que o seu avô "estaria muito orgulhoso de poder contemplar tudo isto". O Reina Sofia mantém uma boa relação com a família do pintor que apoia a presença do quadro neste museu. Tal e como lembra João Fernandes, "o Guernica é uma das razões de ser do museu" que foi criado à sua volta.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Artes
Pub
Pub